Um canto da infância encantada

Foto: Camila Boff

Foto: Camila Boff

A história de Cláudia já se inicia como um momento de revitalização da família. Na época Zininho havia se mudado com a família para Curitiba, no estado vizinho, Paraná em busca de melhores condições de trabalho e estudo para os três primeiros filhos jovens.

A história de Zininho e Ivete, fazendo uma parênteses nessa história11391152_10207109514882585_2540290361376846771_n

sempre foi enredada com muita romantismo e um toque peculiar de aventura. Zininho literalmente fugiu com Ivete aos 17 anos e saíram do Continente destino Canasvieira, um bairro no norte da Ilha. Na volta, já estavam casados, e mesmo superando os altos e baixos permaneceram juntos até o dia da sua partida.

E foi quando Dona Ivete percebeu que o cotidiano já estava dominando a rotina do casal, e segundo Cláudia que conta em um tom de muitas gargalhadas, Zininho estava se interessando um pouco além da conta pelas noites de boemia.

E dentro desse cenário, a menina chegou para dar um novo ritmo ao casal eu já havia se esquecido das rotinas de uma bebe dentro da casa. Mas a boa sorte lhe foi dada e ela era a pequena de Zininho e sempre foi a caçula e o xodó da família.

Mas o convite agora é ouvir um pouco das suas histórias:

A menina cresceu diante de discos de vinil, fitas cassetes com gravações das melhores canções da sua época. Na casa era um entra e sai dia após dia de inspirações musicais, poesias e muitas discussões sobre a política e o desenvolvimento da cidade.

Zininho não era apena um artista, mas sim um grande ativista que buscava preservar ao máximo os encantos da sua ilha. Aos seus olhos a paisagem estava perdendo seu sentido diante da tantas invasões e especulações imobiliárias.

E foi diante dessas constatações diretas, que ele indiretamente mandava a suas letras, em forma de samba para alertar as autoridades sobre a necessidade de se preservar.

Eis aqui um puro exemplo:428005_10200376503361505_1650598326_n

 

Miramar

(Zininho)

Digníssimo senhor prefeito

Mui respeitosamente

Estamos diante de Vossa Excelência

Para pedir humildemente

Senhor prefeito

Por favor, mande recuperar

O nosso velho e querido Miramar

Pergunte ao Waldir Brazil

Daniel, Narciso e Dião

E a outros velhos boêmios

E eles também dirão

Que era ali

Que nasciam as serenatas

Era ali que os sambas nasciam

Ao som de um violão

Senhor prefeito

Por favor, mande recuperar

O nosso velho e querido Miramar

 

E assim os anos foram se passando, e como radialista e técnico de som da Câmara Municipal de Florianópolis, ele estava diante de todos os acontecimentos, todas as leis e propostas que eram anunciadas em plenário. Isso lhe rendeu ser um dos portadores de uma parte da memória política do município gravadas nas velhas fitas cassetes e antigos rolos de gravação.

DSC_7704

Foto:Camila Boff

Uma transformação que não só ia acontecendo no movimento urbano, mas nos interiores pessoais. Zininho não somente sentia que a cidade estava mudando de cara, ganhando prédios altos na Beira Mar, mas que também as tradições iam perdendo os seus encantos.

Memórias que Cláudia traz à conversa e manifesta as mesmas preocupações. Como que seguindo as pegadas do pai, o destino também levou Cláudia para as dependências da Câmara Municipal como servidora pública. Mas, como uma boa história, tinha um bom samba envolvido. Zininho por conta própria fez um “sambinha” para o amigo que estava se candidatando. Um samba, cheio de energia que levou o candidato diretamente para bancada dos eleitos e como sinal de gratidão ofereceu uma proposta de trabalho.

Zininho titubeou, pensou e logo percebeu que era momento da menina começar a trabalhar. E desta forma Cláudia teve seu primeiro emprego na Câmara.

As conversas nas rodas em casa, junto com os amigos sempre tiveram dois temas em destaque, a boa música e os acontecimentos dos bastidores e as mudanças e transformação que estavam acontecendo ao redor.

308151_4668455075688_373618578_n

Mas, ela era uma menina…

 E meses depois ela soube que sua vida

Passava por outra transformação

A menina agora também era mãe

E das meras e simples preocupações ouvidas

Nas mesas

Nas rodas

Nos cantos de música e filosofia

 A atuação agora passava para o social

 O mesmo paraíso vivo para seu filho

Desfrutar!482749_10200786604093767_170755386_n

A dor do pai começava ecoar na sua mente

O passado começa a desbotar na luz do presente

Como uma mãe terna e gentil

Assim como a mãe terra

Os filhos quer alimentar

Na poesia do tempo

Na música sem um tempo ou espaço

Quer ver no sol aos olhos do infinito

No vai e vem

Eterno na beira do mar

O filho era semente para uma nova mulher desabrochar

E como num espelho

Era a imagem do Pai na filha

E da filha no neto

Roda viva do tempo

A se perpetuar!269082_4687991364083_693156511_n

Continua….

Share →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *